sábado, 28 de junho de 2008

Desaparecido

Fiz algo parecido.
Passado, me procurou estes dias.
Conhecimento, um toque, uma carícia, um beijo, mãos nas mãos e nada mais.
Foi para sempre lembrado, insistido, ligado, desligado, procurado.
Machucado.
Tempos em tempos.
Tempo volta e me cobra o perdido.
O largado.
O absurdo da paixão.
A consciência roubada, o cativeiro.
Nunca te libertei.
Agora presos, você, que mal conheço.
Eu, que nem conheço-me.

Nenhum comentário: