segunda-feira, 30 de junho de 2008

xotinho

querendo que ficasse o mistério, eu lhe disse tudo que pensava. faz-me um carinho mais e me diz qual é seu segredo maior. és casada, já sei. por isto andas tão recatada e nem me admite um olhar. um sorriso já me deste e um rebolado também, se bem que este não vou contar. pra ninguém, nem pra efeito contábil. se sou eu compromissado, que te importa se nem chegas na porta pra me ver passar? eu escrevo poesia, se tens alma -o que eu já duvido - devias ler qualquer uma e enxergaria uma pontinha de tudo, que sinto bem aqui. sua amiga, de infância imagino, me disse que saiste a passear e como a cidade não é grande, saí eu a te procurar. qual não foi minha surpresa que nem consegui sair do lugar, pois estava acorrentado e ferido preso no meu devido lugar.
perdido no meio do sentido, também não pude mais nem falar. quando voltares , se quiseres conversar, saiba que tens em mim um amigo que te quis o bastante, pra agora querer so te olhar...

Nenhum comentário: