sábado, 5 de julho de 2008

cão

Quase não sobrou comida do almoço hoje. O frio que sinto é maior do que o que está na minha barriga. Quando eu era menino tinha dia que nem tinha o que comer e então eu abria o armário de madeira, na parte alta e pegava a pimenta e esmagava no fundo do prato e virava com arroz. Comia até soluçar. Hoje tenho soluço quando é saudade de um sentimento, de uma hora qualquer que vivi. Um cheiro de perfume que senti a muito tempo me veio na lembrança e não consegui sentir o mesmo que antes. Estou perdendo a visão. Não a da vista, que esta lá vai indo, mas perdi a do futuro, do que sonho, do quererei, do que sonhei um dia. Meu cachorro é que se lembra de tudo, mas não vai bem de vista, ele late pra mim achando que sou outro.

Nenhum comentário: