terça-feira, 1 de julho de 2008

Colo

Não te entornes por dentro por mim.
Eu me entornei pra fora por ti.
Já coloquei no ar o ar, feito mulher que vai botar filho no mundo.
Já pari versos.
Eu, sendo homem, tive filhos seus.
Corro do medo por puro medo e me encontro no seu colo.
Minha mãe branca, quero deitar.
Sugar seu seio e sair. Da noite para o sonho embalado por você.
Não vês que penso sofrer a mesma dor que sofro?
À distância, a distância. Ah! distância!

Nenhum comentário: