quarta-feira, 23 de julho de 2008

nada é tudo

Meu filho saiu carregando a bananeira que cortei ontem. Ele gosta de fazer força. Eu também. Faço uma força enorme pra esquecer. Saio andando pra ver se me sai a lembrança, a doença que me mantém vivo. Eu preciso dela por agora. Mimetismo. Com ela eu vejo as fotos antigas com mais contraste. E as mais novas, nem preciso retocar. Tudo na minha vida é lembrança. Do que já foi, e o que ainda há de ser ponho mais pra frente , pois penso que não verei as coisas prontas.Vejo que as flores aparecem sem ninguém pedir. Meu olho tá ficando treinado em ver coisa bonita. Ou tá tudo lindo ou eu só ando em lugar bom. Não existe nada mais bonito que um olhar. Que eu dou ou que alguém olha. Onde ficarão tantas memórias se eu não conseguir escreve-las no papel? Se ficarem só comigo, elas fizeram bem em nascer? Não posso deitar, nem tomar banho de sol, nem suco de abacaxi enquanto eu não der um nome pra rosa. Aquele cacho de banana eu separei para Paulinho. Tem algumas coisas tão belas nesta vida que não agüento ficar olhando. Tenho que dizer logo que eu apaixono. É uma obrigação para quem sabe que não é nada nosso.

Nenhum comentário: