domingo, 1 de fevereiro de 2009

Ny em NY

Saber que meus membros doem ao crescer, não é nada.
Comparado ao sentir minha alma presa em meus sentimentos.
Quero asa grande,
de anja,
de harpia.
Pra olhar de cima e me ver sentada esperando que meu pouso não demore.
Sou franca comigo e não me peço licença quando vou cair de cima,
do alto de minhaas convicções de beira de abismo.
Sou moça de cabelo a marcar na testa.
Sou a festa comemorativa da vida.
Todo dia é meu.
Sou efêmera em tudo, inclusive em ser efêmera.
Sou a mesma que não diz Ny.

2 comentários:

Nayara .NY disse...

Sou tudo isso?
Acho que minha alma
não quer libertação
É algo que dói lá no fundo
e não existe razão
ou talvez muita
Tomara que todo o resto
seja tão efêmero quanto eu
Pois há certos momentos que
não me fariam sobreviver muito se durassem mais do que uma semana

Adorei!
Que sua inspiração não seja nada efêmera!
Bjuu

Amanda Goulart: A Liberdade pelas mãos do Jornalismo disse...

Efêmera .. a vida e nossas ações..
Nossos anseios e devaneios.
Lindo.