sábado, 29 de janeiro de 2011

reveja sexta-feira, 21 de novembro de 2008

era


Era surdo, era mudo, era falado.
Era tudo, era mundo, era fundo, era gritado.
Era meu, era seu, era para mais ninguém.
Era estrela, era planeta, era lua.
Eram os meus olhos, os seus, eram olhares.
Era pensamento, era momento, era saudade.
Era suspiro, respiro, era sem ar.
Era fome, era jejum, por dias inteiros.
Era sonho, era insônia, era acordar.
Era verdade, era mentira, era no meio.
Era encontro, era perdido, era esbarro.
Era conto, era canto, era poesia.
Era espanto, era, um tanto,
Era um tanto, era no entanto,
bastante.
Era você, era eu,
por eras.

sábado, 8 de janeiro de 2011

lado

ela não entra
não me fita
última face
nada novo
tira as armas
está no lugar
mas onde?
está louco?
olhe o não
estou cético
quebro o luto
mas não?
mas o que?
ir ou não
qual o lado?
ver o sim.

esperando

você fica sentada no seu lugar, enquanto eu aqui deitado, estou à beira de enlouquecer.