sexta-feira, 18 de julho de 2008

Acena

Como miragem,

apagando

ao ser concreta.

Como quem chega,

inesperada

surpresa.

Necessidade criança,

desligada,

sem vida.

Amores vistos

desentendidos

inexplicáveis.

Agora partida,

adeus,

aceno de mão, não.

Mas a vida,

mais a vida,

mais da vida.