quinta-feira, 3 de julho de 2008

Sem nada
Eu tenho uma nota de 200. E é só o que tenho. Todos falam que é falsa. Sem valor. Se fosse ao menos antiga, mas não, é falsa. Dizem que tem algum valor como papel. Só como um pedaço de papel. Vou escrever nela seu nome e mandar tirar uma cópia. Uma vou carregar na carteira, e a outra depositar no cofre que tenho aqui. Só eu sei o valor.



solamente
S
ei que posso estar enfermo
Mas sei que esta dor passará.
Ao andar, andar e ver tanta coisa que falei neste tempo que era só meu.
Eu não posso imaginar de outra forma pois eu sei que o que bate e faz doer meu coração é o saber que jamais terei você em meus braços.
O silêncio que você faz, para mim o mesmo tipo de silêncio que os amantes fazem após se amarem, não me torna menos leigo, me faz acreditar que te terei daqui a pouco.
Se a lua que lhe ofereci para ver não lhe atraiu o olhar, talvez se lhe cozinhar algo quente e docemente temperado lhe faça retornar agora.
Costelinha com mel.
Come e baila seu bailar. Não me interessa o seu ritmo, se não posso acompanhar, ajudar na construção ou lhe trazer uma margarida. Minhas flores de maio agora que estão desabrochando. Interessa vê-las?

Nenhum comentário: